You are currently viewing Acaso x Felicidade – Diferença

Acaso x Felicidade – Diferença

Artigo onde se demonstra que ninguém é feliz por acaso. Em essência somos constituídos de matéria, espírito e uma inteligência a comandar os processos harmoniosos de equalização energética com o universo, para se criar a partir daí estados efetivos de felicidade.

No plano das criações humanas não existe acaso, tudo o que você conhece, dos objetos mais simples aos mais complexos – um grampo de cabelo, uma tesoura, um carro, um computador, por exemplo -, todos são frutos de uma concepção inteligente acionada por uma vontade de realização. Isto é uma coisa tão óbvia e indiscutível que ninguém questiona a autenticidade dessas coisas criadas pelos humanos.

Se qualquer astronauta descer num planeta desabitado e encontrar um objeto qualquer desses construídos pelo homem, por mais simples que ele seja, ele acertadamente concluirá que ali houve a passagem de um ser inteligente. Por que essa conclusão? Simplesmente porque existe uma intencionalidade e uma finalidade por trás de qualquer objeto criado. Há sempre uma concepção inteligente que antecede qualquer ato de criação. Isto porque ninguém jamais viu uma tesoura, um jarro, uma bicicleta, um computador etc., formar-se por obra do acaso. Já, no mundo da natureza, a ciência materialista quer explicar o Universo e toda a sua criação como obra do acaso, desprezando a intencionalidade, a sofisticação e riqueza de detalhes com que as coisas funcionam.

Uma coisa que você tem que saber para ser feliz, é que você não é obra do acaso. 

Sobre este assunto, existe até um pensamento de autor desconhecido para mim, que diz o seguinte: “Acreditar que o homem possa ter surgido como obra do acaso, seria o mesmo que acreditar que uma enciclopédia pudesse ter surgido de uma explosão numa tipografia”.  

 Acreditar nessa tolice de acaso é como se você renunciasse à sua paternidade, quebrando uma conexão muito importante de irmandade com todo o Universo. É o que acontece à maioria dos filhos adotados, a despeito mesmo de estarem sendo criados com todo amor e supridos material e psicologicamente de forma primorosa, mais cedo ou mais tarde, deles surgem a famosa pergunta: quem são meus pais? Há uma necessidade intrínseca de conhecer os verdadeiros pais biológicos. Fechar a “Gestalt”, saber de onde veio. Conhecer a matriz acionadora de sua própria existência parece ser uma aspiração latente em todo ser humano.

Da mesma forma, quando o indivíduo atingiu um grau de evolução mais elevado (evolução consciente), as suas aspirações tendem a corresponder também ao seu estágio, agora, mais elevado: ele quer conhecer a sua verdadeira origem espiritual. Quer saber se realmente é um ser criado por uma Inteligência Superior, ou se é um produto das forças cegas da natureza, como querem a Ciência e a Filosofia materialistas. O como, o quando e os porquês da sua existência precisam ser esclarecidos. As exigências “gestálticas”, aqui, são também muito mais profundas e carecem também de respostas muito mais aprofundadas, elaboradas e completas. Ao contrário, você, agora, tem que introjetar a certeza de que é parte de um plano ultra elaborado e eficiente de uma construção mental, que funciona extrínseca e intrinsecamente de acordo, também, com os planos de sua própria mente.  

Então, Você é Filho de Quem? 

Vejamos desde o início. Do princípio mesmo donde se diz que tudo começou. O chamado Princípio da Criação. O nosso alfabeto é composto de 26 letras, (considerando K, Y e W, tomados de empréstimo de outra língua). Com estas vinte e seis letras e mais alguns sinais, o homem escreve todas as palavras existentes na sua própria língua, todos os dicionários, enciclopédias, peças de teatro, livros diversos… Tudo, mas tudo mesmo pode ser escrito utilizando apenas estas 26 letras e os referidos sinais. A mesma coisa acontece com os números, – eles são apenas 10 e mais alguns sinais -, número suficiente para se escrever todas as quantidades numéricas e equações matemáticas possíveis e imagináveis já descobertas pelo homem. 

E então, qual seria o código ou assinatura com a qual a Mente Suprema teria criado todas as coisas? A Ciência avidamente busca esta informação. A princípio ela achou que o átomo era a resposta certa, que era a menor partícula indivisível existente. Hoje a Ciência já esquartejou o átomo em tantas e múltiplas partículas que ela mesma não sabe o que fazer com tantas informações. Mas, para o nosso raciocínio, podemos utilizar os átomos como sendo o alfabeto da Mente Suprema. Veja bem, com 94 (?) átomos até agora descobertos, (acredito mesmo que outros serão encontrados, conforme mostram os vazios da escala estequiogenética). Com esse número reduzido de átomos e a múltipla combinação entre si, o Criador fez surgir o Universo inteiro com uma multiplicidade de coisas e funções impensáveis no plano das criações humanas. Resultando daí, que tudo que existe no Universo é formado por átomos: terra, madeira, ar, fogo, água, uma fruta, até mesmo você que está lendo este livro, também formado por átomos; tudo é formado por átomos que se combinam por forças de coesão e repulsão que nos transmitem as sensações de calor, frio, dureza, maciez, peso, beleza etc.

Como parte desse rico Universo, nosso corpo com todas as suas múltiplas funções, não é nada mais nada menos do que um amontoado de átomos que se movimentam a velocidades incríveis, realizando, desta forma, configurações que podemos até mesmo considerar divinas, para as quais foram cosmicamente determinados. Pois bem, se quisermos ir mais além, para estarmos de acordo com as novas descobertas da Ciência mais moderna, incluindo a Física Quântica, podemos considerar tudo que existe como sendo padrões de interferências de energia e informações. Mesmo subdividindo o átomo para transformá-lo em partículas subatômicas, tal como os elétrons, prótons, nêutrons, bósons, quarks etc., ainda assim, continuam como minúsculos padrões de interferência de energia e informações.

Tudo isso mostra que somos formados da mesma “substancia básica” de que é feito todo o Universo. Conforme a equação da relatividade de Einstein (E=mc²), que vê matéria e energia como sendo duas manifestações diferentes da mesma substancia universal que é a LUZ. Não deixa dúvida de que tudo que existe é formado de Luz. A LUZ é o princípio básico de TUDO! Portanto, matéria é Luz condensada! Ora, se nosso corpo é formado de aproximadamente 70% a 80% de água e o restante, de outras substâncias retiradas da própria composição da terra, e tudo isso é Luz condensada, claro está que até nós somos seres formados de Luz! Somos filhos da Luz. Esta é a identidade comum entre tudo que existe no Universo inteiro, uma folha de grama, uma pedra, uma rosa, nosso corpo, nossos pensamentos, nossos sentimentos… Tudo são manifestações da mesma essência comum, ou seja, manifestações da própria LUZ! A luz é, portanto, a razão de ser de todas as coisas. “A Luz, porém, não veio das trevas, pois as trevas são a ausência da Luz” (R+C). Só a Luz pode gerar Luz. Somos Luz, gerada pela própria Luz, que é DEUS! 

Pronto, agora sabemos qual é a nossa verdadeira natureza e nossa conexão com o Universo inteiro. Nós somos LUZ! Guarde bem este principio, ele é muito importante!  

Nossos corpos são feitos de luz condensada. Eles, por conseguinte, estão sujeitos às mesmas Leis que governam o Universo inteiro. É preciso compreendê-los, amá-los e respeitá-los dentro dos princípios da Ordem Cósmica e da Harmonia. Princípios estes, que acionam e mantêm os processos criativos e evolutivos do Universo. 

Resumindo, eu, você e todas as coisas temos uma única origem comum: somos filhos da Mente Suprema de Deus. Não é à toa que as Escrituras Sagradas das religiões mais importantes, dizem que “somos feitos à imagem e semelhança de Deus”. Isto não quer dizer que Deus teria que ter um corpo nas mesmas características que temos nós. Quer dizer, isto sim, que Deus, para Precipitar o Universo inteiro, teve que imaginá-lo antes, (formar imagem mental), e, em seguida, acionar pela vontade e através da palavra (do verbo), Colapsar pela força mental, conforme a semelhança do que foi imaginado. E nós, por sermos feitos “à imagem e semelhança do nosso Criador”, temos o mesmo poder de precipitação, só que em escala mais reduzida, fenômeno que será explicado em outro livro a ser publicado sobre As Leis da Mente. 

Reconhecer que somos formados da mesma substância de que é formado o Universo inteiro, implica em conhecermos o nosso corpo e darmos a ele a pureza substancial advinda da Mente Suprema, no momento da nossa criação. Requer uma vigilância constante, diria até, uma impecabilidade, que fica cada vez mais difícil nos dias atuais. Difícil tanto pela profusão de variáveis contrárias aos princípios de sobrevivência com que o homem se defronta a cada instante, quanto pela pressa com que ele é obrigado a responder satisfatoriamente a todos esses fatores contrários à sua felicidade. 

Saber que somos feitos “à imagem e semelhança” da Mente Suprema que criou e governa tudo, não é o bastante para a integralização de um viver feliz. É preciso reconhecer que somos parte de um corpo físico (animal) e que ele precisa de elementos que plenifiquem a sua natureza, de forma a manter os padrões vibratórios de harmonia tão necessários à expressão da sua parte mais nobre, que é a essência espiritual. 

Você é também matéria que precisa conservar o equilíbrio. 

Vimos anteriormente que o nosso corpo físico é também feito de Luz e que esta luz veio da Mente Suprema de Deus. Só que esta luz está muito condensada e se expressa através de uma frequência vibratória muito rebaixada. Significa dizer que temos de buscar o nosso sustento através de elementos de frequência vibratória também rebaixada. É através desses alimentos que o nosso organismo retira a luz necessária ao seu sustento diário. Nesse ponto, os animais livres do convívio humano são muito mais harmonizados do que os próprios homens: eles encontram naturalmente seu alimento, sem precisar de grandes esforços, de trabalho para adquiri-los ou mesmo prepará-los. O homem não: inventa alimentos que não têm nenhuma substância de que o organismo necessite, modifica-os geneticamente, põe aditivos químicos, venenos, retira componentes vitais à sobrevivência e cria necessidades ilusórias através da propaganda massiva, com fins de obter lucro, de forma aética e irresponsável. Mas, você, que agora está muito mais consciente de todas estas artimanhas, não vai querer impregnar seu corpo com todo esse lixo que só serve para criar doenças, afastando-o de uma vida realmente feliz! 

Quais os alimentos mais saudáveis para conservar o equilíbrio do organismo? 

Os alimentos mais saudáveis são aqueles retirados diretamente da natureza e que não sofreram modificações pela intervenção humana: Frutas, Castanhas, Verduras, Sementes, Tubérculos, leguminosas etc. Você mesmo deverá identificar aqueles que são mais harmonizados com a sua própria constituição física. 

Deve, portanto: 

  1. Evitar açúcar branco, – que é o pior alimento inventado pelo homem-, refrigerantes, bebidas alcoólicas, fumo, café forte, drogas em geral, enlatados, massas processadas, excesso de sal, gorduras e tudo mais que não fazem parte da sua natureza humana. 
  1. Realizar caminhadas e exercícios físicos, sem os exageros da sociedade moderna. 
  1. Dormir de acordo com o seu biorritmo, se possível deitar e acordar no mesmo horário, todos os dias. 
  1. Usar roupas e calçados leves, de cores claras e definidas, próximas às cores do arco-íris. 
  1. Manter o corpo bem asseado e as roupas limpas. 
  1. Procurar contatos de harmonia com a natureza, mar, cachoeiras, matas, rios de água pura, campinas verdes, serras, chapadas etc. 

Com os procedimentos acima descritos, evita-se muito a doença, que é um dos piores supressores da felicidade. O nosso psiquismo é muito atrelado às sensações corpóreas e, por isso mesmo, qualquer doença, dor ou desconforto que seja, retira o indivíduo do seu centro de poder e do controle da sua harmonia e bem-estar, característico dos estados de felicidade. 

É, pois, o fato do homem ter de manifestar-se através do corpo físico e ter criado um ego em torno desse corpo, que ele criou os maiores empecilhos a uma vida de harmonia, paz e felicidade para si mesmo e para os outros. 

Compreendendo esse fato, o homem deve procurar uma vida simples, confortável, mas sem ostentações desnecessárias; seguir o caminho do meio, de que tanto falam as Escrituras Sagradas Orientais, a Bíblia, e principalmente o Budismo.  

O corpo Físico é a carga mais pesada com a qual o homem tem que lidar durante toda a sua existência, no plano da matéria densa. O corpo precisa sempre de satisfazer suas necessidades biológicas, precisa de alimento, precisa de se reproduzir, precisa de roupa, precisa de abrigo. Em outras palavras: está voltado quase que exclusivamente para o princípio de sobrevivência, que é a exigência mais forte dos organismos vivos e, em especial o humano, que é o animal de vida mais sacrificada da natureza. 

FAÇA UM DOAÇÃO PARA AJUDAR O NOSSO SITE CONTINUAR EXISTINDO.

https://pag.ae/7XFEKe_b4

Este post tem 3 comentários

  1. Manoel Belo

    Grato a você, pelo incentivo. Você é demais, sempre me incentivando, um grande beijo para você.

  2. Manoel Belo

    Oi, Amor, você sempre me dando aquela força necessária para seguirmos em frente. Um beijão pra você. Belo.

  3. Suzete Brainer

    Sabe, Belo, eu somente consigo pensar numa palavra, esta que expressa este seu excelente artigo: Inspirador!!!
    Tudo que você aborda profundamente e inquestionável, nos leva a este caminho inspirador para a felicidade simples, plena e transcendente.
    Grata pela leitura.
    Su.

Deixe um comentário